domingo, 31 de agosto de 2014

O rio dos indignados

“A verdade surge justamente onde um ser separado do outro não se funda nele, mas lhe fala.”Emmanuel Levinas




Estava aqui sem fazer nada, olhava o rio que passa ao longe, olhava as pessoas em fuga, das águas do rio a correnteza levou suas vidas. O rio afoga, o rio salva. Medo de sua própria gente. Estava, como disse – de repente, vem um grupo entoando cânticos, um pouco marcha militar, música religiosa, com fome de bola, de livros sagrados, os que soletravam precariamente a própria língua, vociferavam a gosma da vida na calçada das ruas que desaguava no rio. Era tudo o que meus olhos não precisavam ver. Vi e sem chorar, ouvi um disco de Cartola para acalmar minha ira.
Estava eu aqui lendo um livro, passou em minha janela, ali na rua, a multidão de um homem e uma mulher a ronronar e esbravejar contra a presença das águas, contra a cor das águas do rio, que um dia mudou de cor, “porque essa não é como queremos” um deles dizia, então, “morra, seca, permaneça lá no fundo, no lodo mas não venha aqui em nossa cidade”....

Estava eu aqui, sentado na varanda, vendo e ouvindo tudo... me levantei, fui até a janela que era banhada pelo cheiro do rio, fechei a casa. Peguei o primeiro ônibus em direção ao mar, no primeiro navio, parti e fugi do grupo que desejava expulsar as águas de nossas vidas. Vou embora com o mar para outro lugar em busca de um outro rio, outra cidade livre da ideia de pureza no sonho de sua gente.
   

    Ana Ferray
Postar um comentário