domingo, 24 de agosto de 2008

História(s) do Cinema



Quarto 666 de Win Wenders

Jean Luc-Godard no filme do Win Wenders fala sobre a morte do cinema, sobre o imaginário do cineasta e o viajante.
"Meu mundo é o imaginário que é uma viagem entre o futuro e o passado, entre o destino e a origem. Como Win, sou um grande viajante." Godard
No seu documentário sobre história(s) do cinema Godard diz:
"Oh que maravilha poder ver o que não exergamos! Oh doce milagre dos nossos olhos cegos."
Em "Janelas da Alma" também vemos a imagem indo além do alcance dos olhos. Além do Mito da Caverna como sugere Saramago. A imagem foge dos ideais para o vazio inebriante do presente. O real não existe por culpa da imagens. O real são as imagens que fragmentam na alma e pouco importa se elas existem demais. Não há do que temer diante do Acontecimento que escapa entre os olhos que vêem diferentemente.
Postar um comentário