sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Willy e o Mr. Bones



“Cão como metáfora, se você consegue acompanhar o meu rumo, cão como emblema dos oprimidos, e você não é nenhuma figura de retórica, meu garoto, você é real pra cachorro.”
Paul Auster


A paixão do Mr Bones ao amigo poeta, pária aos olhos dos que julgam é o que não me move mais a ficar triste, mas é o que mais me leva ao abandono do Mr. Bones, esse sim, o protagonista da solidão do homem, do sonho do sonho no acaso do real que se perde nas histórias. Mr Bones que saiu a procurar um novo amigo e se perde na dor que só o humano parece sentir. Esse é o caminho que vai do exercício racional de pensar sobre a escuridão de um outro lugar, de um Eu desconhecido às imagens que a vida nos apresenta e das clareiras que o relógio do tempo soa ao longe. Ao limiar do sentir e viver, é através das imagens que o romance nos leva de metáfora em metáfora à poetização do companheiro cão.



Postar um comentário