domingo, 13 de dezembro de 2015

Imagens do Pensar




                                “O imaginário e o real tornam-se indiscerníveis.”
Gilles Deleuze
“Quando tudo foi dito, quando a cena maior parece terminada, há o que vem depois.”
Michelangelo Antonioni


Minha, a letra que vem do pensamento,
A roupa, visto ‒ a música, sinto na pele.
Transfiguro em tua boca, triste é viver neste buraco,
A solidão é o começo da liberdade, me faz cantarolar,
Acordar noturno é o começo do tempo que se despede.

A narrativa em filigranas discorre no tempo,
Folhas perdem a força, sequência do pensar disperso,
O presente está depois da imagem, em signos, na nuvem.
O movimento é de Antonioni, reúne os tempos,
O vazio mescla com o tempo morto.

O que está aí, feito está. O que foi dito, está aqui.
Presa do tempo, o homem, inventa o que vem depois,
O Imaginário e o Real é o café da manhã à linguagem da vida.

O mundo é feito não mais de heróis, os excessos perderam para os subjetivos obsedantes das Redes.
   Di Ruthven 

domingo, 6 de dezembro de 2015

Ser


“Todo mundo sempre já pressentiu e farejou antecipadamente o que outros já pressentiram e farejaram.”
Martin Heidegger


Eu não sou, sou Eu, não ser o Ser é pesado,
Sou alguém, no meio do deserto humano,
Sou ninguém, em meio ao tempo: Todos.
Não, dois, um Ser em alguém, sou único.
Eu sou o que sou, alguém dentro do tempo,
Fora do lado de dentro, sou o que me misturo.
Eu sou a multidão, sou parte de um único,
Sou o Ser que mira o corpo, sou as partes,
O fragmento dentro de um só corpo. 

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

AMOR-RIO




Eu me importo contigo, só não gosto das minhas mazelas.
Eu me importo, gosto de tuas entranhas. Estranho AMOR.
Eu me importo, alguma coisa nesse mundo, me importo.

A única dor que existe é tua resposta a dor,
És forte, sobrevive à lama, a todo teor de manganês,
És água, pureza em tua vida escorre desde a nascente,
é tua luta, meu os olhas choram em te ver morrer.